Segundo José Roberto Afonso, crise no setor é global, mas elementos estruturais atrasam a recuperação econômica das empresas que atuam país.

O setor aéreo brasileiro enfrenta 4 principais desafios para conseguir reduzir o preço das passagens aéreas. A indústria global de aviação passa pela maior crise da sua história, mas problemas estruturais no Brasil agravaram a situação das empresas que atuam no país e fez com que as passagens aéreas alcançassem o maior valor médio em 14 anos em setembro de 2023.

Em conversa com o Poder360, o economista José Roberto Afonso, declarou que o principal desafio que as companhias aéreas enfrentam é a dificuldade no acesso ao crédito para compra de peças, manutenção e aluguel de aeronaves.

Ao jornal digital, Afonso explicou que as empresas se endividaram na pandemia devido à queda na operação de transporte de passageiros. Nesse período, o governo federal fez pouco para ajudar as aéreas, o que impediu que esse prejuízo fosse diluído entre os brasileiros.

Hoje, quem paga por esse volume de dívidas contraídas é a porcentagem de brasileiros que utilizam o transporte aéreo, cerca de 10% da população. “A opção do governo anterior foi dizer assim ‘os brasileiros não vão pagar a conta do rombo das companhias aéreas e elas que se virem’. Em um 1º momento quem pagou a conta foram os fornecedores e os acionistas. Como o governo ajudou muito pouco ou quase nada, os brasileiros não pagaram a conta, quem paga é quem viaja”, disse Afonso.

A herança da pandemia no setor aéreo foi um patrimônio líquido negativado. O reflexo disso é que hoje as empresas encontram dificuldades para acessar o crédito em bancos para realizar investimentos e aumentar a oferta de voos. Aproximadamente 10% da composição das passagens é para pagamento de dívidas.

“Não é diferente do efeito que tem em outros países, a demanda cresceu e está crescendo rápido, mais do que a capacidade de aumentar a oferta. Não tem avião disponível no mundo, e as empresas brasileiras têm dificuldades financeiras”, disse.

A dificuldade de conseguir crédito bancário deixa as empresas brasileiras menos competitivas do que as companhias estrangeiras, que também disputam esses materiais.

AÇÕES DO GOVERNO

Preocupado com o preço das passagens aéreas, o governo lançou, em dezembro, o Programa de Universalização do Transporte Aéreo. A 1ª etapa consistiu na apresentação de propostas das empresas para baratear o preço, mas não houve qualquer indicação de soluções para os problemas estruturais do setor. Na visão de Afonso, é necessário que o governo faça uma ação interministerial para resolver essas questões. Segundo o economista, não basta deixar o ministério de Portos e Aeroportos encarregado do problema, e tanto a Fazenda quanto o Banco Central precisam entrar nessa força tarefa para equacionar as dívidas das aéreas. “Precisa fazer um equacionamento financeiro do setor”, afirmou Afonso.

“Com boa vontade das empresas, com uma atuação mais integrada do governo, o problema não é só do Ministério de Portos e Aeroportos, é um conjunto de ações, impostos envolve a fazenda, crédito envolve Banco Central, como que um banco brasileiro, público ou privado vai dar crédito para uma empresa que tem um patrimônio líquido negativo”, declarou.

Afonso afirmou que só será possível resolver esses problemas ao longo prazo, mas destacou que o governo pode realizar ações de curto prazo para melhorar o serviço aos consumidores. O economista disse que as pessoas pagam mais caro e puxam o preço médio para cima são as que compram as passagens em cima da hora.

Dessa parcela que compra sem planejamento, Afonso disse que muitas são pessoas que precisam viajar por problemas de saúde ou morte de parentes. Uma solução proposta pelo economista é a vinculação de dados do SUS (Sistema Único de Saúde) com a base de dados das aéreas.

Dessa forma, pessoas com problemas de saúde ou com parentes doentes teriam uma comprovação da necessidade especial e poderiam ter acesso a um preço mais barato. “Se o governo está preocupado em atender os mais pobres, tem que cuidar desses que viajam de última hora por saúde e morte”, disse Afonso.

Além do Poder Executivo, o Congresso também olha com preocupação para o preço elevado das passagens. Para atacar o problema do acesso ao crédito das empresas, o Poder Legislativo estrutura uma proposta para permitir que o Fnac (Fundo Nacional de Aviação Civil) possa ser usado como fundo garantidor para operações de captação de recursos pelas companhias.

Em conversa com o Poder360, a presidente da Abear (Associação Brasileira das Empresas Aéreas), Jurema Monteiro, disse que a proposta é muito bem recebida pelo setor e pode aumentar a competitividade do Brasil nessa disputa internacional por materiais. “A indústria de partes e peças, reposição de motores entrega de aeronaves ficou comprometida e como a retomada ficou muito aquecida em algumas partes há uma disputa de empresas americanas e europeias estão disputando com as brasileiras a velocidade de entrega com os fabricantes”, disse Jurema.

“O fundo não resolve o problema do passivo das empresas, mas deixa a indústria nacional mais competitiva”. Jurema declarou que a aprovação do projeto para permitir o uso do Fnac como fundo garantidor será o “principal desafio do setor” para 2024.

Fonte: Poder 360

Comunicação/MCZ/Sineaa/2023.

0 Comentários

Envie uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

20 − 20 =

Hsites, Especializados em Web para a área Médica

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?